Os CIOs precisam tomar decisões importantes em suas empresas diante da pandemia do novo Coronavírus. À medida que o vírus continua a se espalhar pelo mundo, os sintomas econômicos estão surgindo. De acordo com a Gartner Inc., mais de uma dúzia de empresas globais anunciaram que perderão suas metas financeiras para o próximo trimestre devido ao impacto combinado de interrupções na cadeia de suprimentos e à redução da demanda dos clientes.

“O valor dos canais digitais, produtos e operações é imediatamente óbvio para as empresas de todos os lugares no momento”, diz Sandy Shen, analista diretora sênior da Gartner. “Este é um alerta para as organizações que colocaram muito foco nas necessidades operacionais diárias à custa de investir em negócios digitais e resiliência a longo prazo. As empresas que podem mudar a capacidade tecnológica e os investimentos para plataformas digitais mitigarão o impacto do surto e manterão suas empresas funcionando sem problemas agora e a longo prazo. ”

Como os CIOs podem preparar suas empresas diante do Coronavírus

Entenda como os CIOs podem aumentar o atendimento digital com segurança e confiabilidade para adaptarem suas empresas diante da crise do novo Coronavírus.

À medida que o vírus continua a se espalhar por um número crescente de países, líderes de empresas e representantes do governo incentivam as pessoas a evitar viagens desnecessárias ou grandes reuniões. Consequentemente, as empresas pedem que seus funcionários trabalhem em casa, mesmo quando saudáveis, de forma a evitar a propagação viral. Os CIOs podem seguir estas etapas para garantir que as pessoas tenham os sistemas necessários para permanecerem produtivas:

Casos de uso de trabalho de inventário. 

Entenda o fluxo de trabalho típico de pessoas que são capazes de realizar seus trabalhos remotamente e identifique os sistemas que precisam acessar. Ou seja, isso abrange desde plataformas de comunicação internas, como email ou mensagens, até sistemas de CRM e ERP. Inclua interações com clientes e parceiros de negócios como parte da análise de casos de uso e documente as necessidades potenciais de usuários externos.

Identifique as necessidades de segurança

Revise a infraestrutura de segurança existente e avalie o que as pessoas precisam para trabalhar com segurança. Considere o hardware que os funcionários remotos usarão (dispositivos pessoais ou emitidos pela empresa) e as redes nas quais eles estarão (público ou privado).

Atualize políticas, acesso e treinamento

 À medida que as empresas expandem o número de pessoas trabalhando remotamente, elas precisam atualizar suas políticas sobre quem pode fazer isso, com que frequência e por quanto tempo. A TI, por sua vez, precisará atualizar o acesso ao sistema – algumas vezes para expandir o acesso e outras para limitá-lo. Dessa forma, todos os trabalhadores devem receber treinamento em regras sobre proteção de dados e uso adequado de dados, incluindo como trocar documentos ou informações com segurança eletronicamente.

Forneça novos recursos

As organizações podem precisar adquirir ou escalar rapidamente seus recursos tecnológicos. Videoconferência, mensagens, ferramentas de colaboração e compartilhamento de documentos são apenas alguns exemplos de tecnologias que facilitam o trabalho remoto. Como consequência, a necessidade de maior largura de banda e capacidade de rede adicionais. Os CIOs precisarão de um processo para avaliar rapidamente as necessidades da empresa e obter acesso – idealmente com contratos flexíveis e de curto prazo.

Alavancar tecnologia para atender à demanda dos clientes

Quer a empresa experimente aumentar ou diminuir a demanda durante o surto, o CIO precisa garantir que os sistemas de TI estejam preparados para eles. A área de TI pode ajudar os CIOs a preparar suas empresas diante do Coronavírus. Trabalhe com membros relevantes do C-suite para fornecer experiências com tecnologia, como:

Expanda a capacidade de autoatendimento e vendas digitais

As empresas enfrentarão ondas de perguntas, pedidos e até cancelamentos de clientes. Ou seja, é importante agir agora e preparar o conteúdo e a capacidade para web de autoatendimento, e-mail, sistemas de URA, chatbots , aplicativos etc.. Dessa forma, é possível lidar com as perguntas ou compras mais comuns, liberando os representantes de atendimento ao cliente para resolver problemas mais complexos ou incomuns.

Permita experiências remotas com um toque pessoal

 Nem todo produto ou serviço é 100% adequado para entrega de autoatendimento. Às vezes, o toque humano faz a diferença para os clientes. Assim, a saída é vendedores de B2B que passam o tempo “pessoalmente” com seus clientes, escolas públicas oferecendo aulas on-line para que as crianças não fiquem para trás, instalações de assistência médica ou organizadores de conferências que realizam eventos remotos.

Aproveite as oportunidades para adaptar produtos ou capacidade à demanda atual.

A fabricante japonesa de eletrônicos Sharp transformou uma de suas fábricas para fazer máscaras faciais . Os fabricantes Foxconn, BYD e GAC na China também deslocaram parte de sua capacidade existente de seus produtos tradicionais – em baixa demanda devido ao surto – para produtos de alta demanda, como equipamentos de proteção. Expanda processos ágeis para permitir mudanças rápidas de recursos físicos e digitais.

Fonte: Gartner Inc.

Amanda Borba
Últimos posts por Amanda Borba (exibir todos)